Translate

Pesquisar este blog

Devocional

Todas as manhãs os colaboradores do IBADEP fazem o período devocional.

REQUERIMENTO DE CERTIFICADO DE CONCLUSÃO

Com conclusão dos estudos do conteúdo programático do curso escolhido, o aluno deverá solicitar ao núcleo o formulário “REQUERIMENTO DE CERTIFICADO DE CONCLUSÃO”, para que possa fazer a solicitação de seu documento de conclusão do curso.

EBI

Com a finalidade de transmitir os conceitos e ensinamentos Bíblicos, a EBI (Escola Bíblica Internacional Ibadepiana), terá como referência o seguinte tema: " A doutrina Assembleiana, com base nas escrituras."

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Pastor se converte ao islã e metade da igreja o segue.


Powered by VIDSqaure

Um pastor evangélico do Quênia se converteu ao Islã e foi seguido por cerca de metade dos membros de sua igreja. Charles Okwany, que liderava a Igreja de Deus em Nyalgosi, disse que o motivo da mudança foi a maneira como as mulheres cristãs se vestiam.
Após anunciar a decisão, 23 fiéis da igreja também se converteram ao islamismo e transformaram a igreja em uma mesquita, renomeada como Mesquita Nyalgosi Jamia.
Falando a um jornal da capital Nairobi, Okwany alega que, ao contrário dos muçulmanos, a maioria dos cristãos são “imorais e falsos”.Aos 65 anos o ex-pastor seguiu uma tradição muçulmana e trocou de nome, passando a se chamar Ismael Okwany. “Durante o meu tempo como pastor, viajei para as regiões de Malindi, Mombasa, Nairobi e até na Tanzânia para pregar a palavra de Deus. Sempre aproveitava a oportunidade para estudar a conduta de cristãos e muçulmanos que viviam nas áreas, e aos poucos fui me convencendo que o islamismo é melhor”, explica o líder religioso.
Segundo ele, sua frustração maior foi ver a maneira indecente como as mulheres se vestiam, com roupas muito curtas, o que seria uma “tentação”. “É lamentável que algumas pessoas da igreja reclamavam que eu estava errado quando pregava contra as vestimentas indecentes. É claro que estavam indo contra a vontade de Deus”, desabafou.
Okwany disse que começou sua jornada para o Islã após conversar com um líder muçulmano da região de Kisii, a quem explicou suas intenções. Após conversar com o imã Mustafa Saoke, fez a profissão de fé dizendo que Maomé é o único profeta. Ao comunicar aos membros da igreja, cerca de metade deles decidiu seguir o pastor e também fizeram a profissão de fé islâmica.
Agora, a mesquita reúne também os 30 muçulmanos que moravam na área e agora frequentam a nova mesquita, localizada numa região que tem mais de 200 igrejas.
Okwany explica que vai se submeter a um intenso treinamento teológico para conhecer mais profundamente a religião muçulmana. “Vou estudar a teologia islâmica para que possa pregar a palavra de Allah. Nunca tive aulas formais de teologia antes. Este será o meu ponto de partida”, acrescentou.De acordo com Omar Al Bashir, o xeque da região de Nyanza, o prédio da igreja será reformado para se encaixar nos padrões exigidos pelo Islã.

terça-feira, 10 de outubro de 2017

Evangélicos transformam vagão de trem em “igreja móvel”.

Evangélicos transformam vagão de trem em “igreja móvel”.

O vagão do trem em Nairobi leva os passageiros todos os dias para o trabalho, mas o pregador tem esperanças que também os leve para Deus. A viagem começa nas primeiras horas da manhã no subúrbio de Ruiru, a cerca de 40 quilômetros da capital do Quênia.
Nos últimos cinco anos, a linha viu um número crescente de pastores fazer pregações para as centenas de trabalhadores que a utilizam todos os dias para irem para o trabalho. Com o tempo, a congregação improvisada se mostrou interessada em ouvir o evangelho.
Por isso, um segundo vagão passou a ser usado como “igreja móvel” todos os dias. A viagem dura cerca de uma hora. As pessoas cantam, dançam, batem palmas e depois escutam um breve sermão.
Jane Wanjiru, que frequentemente participa dos cultos e ocasionalmente até prega no trem, testemunha que muitos daqueles passageiros não costumavam orar nem ir à igreja. “Neste caso, a comunhão que temos no vagão se torna uma boa alternativa”, disse ela.
Nas paradas que faz, o trem pega passageiros em bairros da classe média e favelas. Quando chega no fim da linha, na Estação Ferroviária Central da capital, geralmente há pessoas que já aceitaram Jesus ou receberam orações e foram curadas, garantem os pregadores.
Nove pastores se revezam para ministrar todos os dias nos dois vagões. A audiência cativa reúne desempregados, funcionários públicos e comerciantes. Nenhum dos pastores é remunerado. São homens e mulheres que já usavam a linha para irem aos seus empregos e viram naquele local uma oportunidade para ministrar. Os temas dos sermões geralmente se relacionam com as lutas da maioria da população no país empobrecido, que convive com conflitos étnicos.
“Você deve diferenciar entre sacrifício verdadeiro e o que não é. Deus quer que façamos verdadeiros sacrifícios”, disse o pastor Benjamin Mutungi, 34, em uma pregação recente no trem. Alguns dos passageiros abrem suas próprias Bíblias para lerem junto a passagem.
Ele e os outros pastores seguem uma programação prévia, estabelecendo um rodízio. Assim, não usam os mesmos vagões todos os dias e procuram atingir o maior número possível de passageiros. Eles se espalham e evangelizam nos outros vagões. Também decidiram que nunca seria pedido dinheiro a título de ofertas.
Benson Ndolo, um contador que prega com frequência no trem, disse que sua vida cristã se transformou na igreja sobre trilhos. “Abriu portas para mim. Hoje sou uma pessoa melhor aqui e no trabalho”, comemora.
Julius Dzolo, que trabalha em um escritório, disse que os sermões o ajudam a lidar com o estresse. “A pregação me ajuda a relaxar”, explica. “Se eu tiver raiva de alguém no trabalho, depois do sermão consigo perdoar muito mais facilmente”.
“Muitos foram ajudados a lidar com seus problemas. Oramos pelos doentes e também pelos desempregados. Alguns voltaram e contam que houve mudança em suas vidas”, destaca o pastor Michael Mbogo, 41, que começou a pregar no trem anos atrás.
“Eu acredito que minha pregação podia ajudar essas pessoas”, relata. “No início, temia que as autoridades fossem me expulsar, mas quando as pessoas começaram a participar dos cultos com alegria, nos deram permissão para continuar”. Com informações Religion News

segunda-feira, 4 de setembro de 2017

Trump decreta dia nacional de oração: “Deus é nosso refúgio e fortaleza”.

Trump decreta dia nacional de oração: “Deus é nosso refúgio e fortaleza”.

A cena parece ter saído dos relatos do Antigo Testamento. Exortado por líderes religiosos, o líder de uma nação inteira decreta “um dia nacional de oração”.
Após o furacão Harvey passar nos últimos dias pelo sul dos Estados Unidos, causando bilhões de prejuízo em um rastro de destruição e mortes, o presidente Donald Trump tomou a decisão de convocar o país a dedicar o domingo (3/9) para pedirem a benção de Deus sobre o país. Ao lado do vice, Mike Pence, ele assinou um documento oficial.
O anúncio foi feito após ele receber a visita de pastores e líderes evangélicos em seu gabinete. O pedido de Trump se alia ao do governador do Texas, Greg Abbott, que também convocou os texanos a orar pela recuperação do seu estado.
“Estamos profundamente gratos por aqueles que se dedicam ao serviço, e oramos por cura e conforto para os necessitados”, afirma a proclamação do presidente, divulgada pela assessoria de imprensa da Casa Branca.
“À medida que os esforços de resposta e recuperação continuam e, à medida que os americanos oferecem o alívio necessário para as pessoas do Texas e da Louisiana, lembremos da promessa das Escrituras de que “Deus é nosso refúgio e fortaleza, socorro bem presente nas tribulações”, continua a nota, citando o Salmo 46.
“Exorto todos os americanos e casas de culto em toda a Nação a se juntarem em uma única voz de oração, enquanto buscamos apoiar um outro e ajudar aqueles que sofrem com as consequências dessa tempestade terrível”, afirmou Trump. Ele anunciou também que doará 1 milhão de dólares de seu próprio bolso para as vítimas.
A oração feita sobre Donald Trump, com imposição de mãos, foi liderada pelo pastor Robert Jeffress, líder da Primeira Igreja Batista de Dallas, um influente líder cristão que esteva ao lado de Trump desde a campanha presidencial.
No vídeo divulgado, ele cita o texto de 2 Crônicas 7:14: “se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e buscar a minha face e se converter dos seus maus caminhos, então eu ouvirei dos céus, e perdoarei os seus pecados, e sararei a sua terra”.
Nos últimos dias, o vice Mike Pence também teve encontros de oração com líderes, em especial com Franklin Graham, cujo ministério tem se envolvido diretamente no socorro às vítimas no Texas.
Desde o governo de Ronald Reagan não havia uma manifestação cristã tão clara na Casa Branca. Foi Reagan quem criou o Dia Nacional de Oração pelo país, em maio de 1982. Contudo, o decreto de Trump é algo inédito na história recente dos EUA, ocorrendo com um pedido específico pela intervenção divina em um momento de crise. Com informações CBN
Fonte:www.gospelprime.com.br


Teologia de Nível Básico do IBADEP!
 

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Naiara Azevedo rejeita o feminismo: “Homem é o cabeça”.

Naiara Azevedo rejeita o feminismo: “Homem é o cabeça”.

A cantora Naiara Azevedo, um dos ícones da onda feminina que movimenta o cenário sertanejo, cedeu entrevista em videoconferência produzida pelo jornal Extra nesta segunda-feira (14). 
Na ocasião, a artista comentou o fato de ter ganhado espaço no cenário em um campo predominantemente formado por homens. Ela relembra que a primeira cantora, nos tempos recentes, a ter destaque, foi Paula Fernandes.
Diferentemente de Paula, Naiara Azevedo ficou notável pelas canções cujo protagonismo feminino é apresentado. Questionada pelo repórter, a artista disse que, mesmo assim, não se considera feminista. “Me considero uma mulher justa”, respondeu.
“Sou muito verdadeira e comigo não tem meias verdades. Eu não preciso agradar ninguém e nem preciso que alguém faça isso por mim. Sou muito religiosa e acredito que isso seja bíblico. Eu li isso na Bíblia. O homem é a cabeça, o chefe da casa. Mas a mulher é o pescoço (risos)”, contou.
“Eu tenho esse impasse. Quando meu marido me fala alguma coisa e ele está certo, eu respeito. Mesmo que eu não fique feliz. Ele é o homem da casa e tenho que respeitar. Mas quando eu estou certa e ele está errado, eu também mostro que eu estou certa”, acrescentou.
Naiara Azevedo ainda falou da relação que possui com o seu marido que é, também, um de seus empresários. “Nunca sou eu quem decide em que lugar ir. Ele é quem resolve tudo, e eu gosto”. 
A artista, ainda, demonstrou seu nível de confiança no marido: “Nós casamos em comunhão total de bens. A partir do momento que se casou com uma pessoa, passamos a ser um só”, afirmou.
Ela também fez uma avaliação do crescimento das artistas femininas no sertanejo e a união com nomes masculinos. “Não tem que ter homem e mulher, é o artista. A gente veio sem rivalidade umas com as outras. A gente tem se mesclado. Uma hora vai passar essa comparação”.
Fonte:www.gospelprime.com.br

terça-feira, 15 de agosto de 2017

Lava Jato é recado para corrupção na igreja brasileira, alerta missionário.

Lava Jato é recado para corrupção na igreja brasileira, alerta missionário.

O missionário canadense Dwayne Roberts e sua esposa Jennifer foram missionários na Europa por quase uma década. Posteriormente, tornaram-se membros-fundadores do conhecido ministério de oração IHOP – International House of Prayer (Casa Internacional de Oração) – em Kansas City, EUA.
Durante quase 14 anos eles trabalharam ali na formação de um ministério que se propõe a louvar e interceder pelas nações durante 24 horas por dia.
Contudo, em 2013, eles sentiram o direcionamento de Deus para estabelecer o mesmo tipo de ministério no Brasil, mais especificamente em Florianópolis. Desde então eles vieram com os filhos para trabalhar no país, onde estabeleceram não apenas uma “casa de oração”, mas também uma igreja.
Ali funciona ainda uma base missionária, que se propõe a preparar e enviar os “guerreiros de oração” através do curso Fascinação. 
Além disso, eles promovem anualmente o OneThing, conferência que visa o despertamento da igreja para a necessidade de maior envolvimento com a oração. O nome, que significa literalmente “Uma Coisa” é o título homônimo do livro de Dwayne sobre a oração como ministério.
O portal Gospel Prime conversou com Dwayne no escritório da FHOP, abreviatura da igreja-missão, que segue o padrão do original. Na Casa de Oração de Florianópolis estão envolvidos atualmente dezenas de missionários intercessores, incluindo cantores, músicos e aqueles que trabalham na manutenção do local.
“Queremos impactar a nossa cidade pelo poder da oração e sermos uma inspiração e encorajamento para a Igreja do Brasil”, explica.
Lembrando sobre seu chamado para o país onde hoje mora, enfatiza sua crença que o Brasil é destinado a ser um lugar de liderança no mundo: “Desejamos ver as promessas de Deus sobre esta nação se cumprirem”.
Como estrangeiro, ele vê as mudanças ocorrendo no país com interesse, mas aponta que, conforme admoesta o apóstolo Pedro [1 Pe 4:17-18], “o julgamento começa na Casa de Deus”.
Por isso, entende que toda essa situação no país é um alerta para as lideranças espirituais, de que dentro desse mover divino, muitas coisas que estavam escondidas serão reveladas e tratadas.
“Deus não está olhando só para a corrupção política no país, mas está limpando a corrupção que existe na Igreja. O Senhor deseja que o primeiro mandamento realmente seja vivido pela Igreja brasileira”, assevera.
No seu entendimento, isso começa com cada cristão respondendo à pergunta: “Você está buscando a santidade e justiça em sua própria vida?”.
Após pregar em diferentes partes do país, ele diz que conheceu muitas igrejas excelentes por aqui, mas ainda se surpreende com algumas situações que não parecem fazer muito sentido, como a construção de templos gigantescos e a réplica do Templo de Salomão.
“Eu realmente acredito que, muitas vezes, esse é o resultado da visão de homens, não aquilo que Deus tem para essa nação. Quando vejo lugares que pregam só prosperidade, mas não falam sobre o caráter e o amor de Deus isso me deixa nervoso”, lamenta.
Neste tempo que está vivendo por aqui, Dwayne fez vários amigos entre os líderes evangélicos brasileiros que conheceu e declara-se esperançoso: “Tenho muita expectativa. Os olhos de Deus não se desviaram desta nação. O Senhor não dorme. Ele tem um plano [para o Brasil]”.
O missionário finaliza deixando claro que ainda é necessário um ‘alinhamento com o céu’ do que está sendo pregado nos púlpitos do país.
“Tenho muita esperança ao ver a geração atual. Deus está falando a eles e sei que eles vão responder. Precisamos apenas que os líderes possam oferecer a eles a direção certa, pois como afirmam as Escrituras: “sem visão, o povo perece” [Pv 28:19]. Como líderes, somos nós que precisamos oferecer a eles a visão que vem de Deus e sei que eles irão cumpri-la”.
fonte:www.gospelprime.com.br